fbpx

Escherichia coli em pescados

Escherichia coli em pescados
6 de outubro de 2021 Freitag Laboratórios

 

 Escherichia coli é uma bactéria comensal, que habita a microbiota intestinal. É um microrganismo em forma de bastonete, anaeróbio facultativo e gram negativo. Existem alguns subgrupos patogênicos da E. coli que podem causar doenças e até levar à morte,  são cerca de duzentos sorotipos, os quais são classificados pelo fator de virulência e característica sorológica. Esses subgrupos patogênicos causam sintomas nos humanos que podem levar a uma lesão severa nas células epiteliais do intestino, hemorragia intestinal e falência renal. Esses surtos são causados devido a ingestão de leites e sucos não pasteurizados, carne mal cozida e pescados.

Os peixes são grandes causadores da disseminação de agentes patogênicos responsáveis por causar doenças, podendo ser utilizado como indicadores da qualidade da água, pois demonstra a contaminação da água de cultivo por esgoto, devido a um insatisfatório tratamento do saneamento básico, por este motivo estão associados a grande parte das doenças transmitidas por alimentos. A Escherichia coli é uma das principais bactérias encontradas nos peixes. Neles, ela se instala no intestino, mas dificilmente consegue penetrar no músculo. A contaminação de E. coli aponta manipulação inadequada nos processos de captura, armazenamento e manipulação do peixe.

O monitoramento da água e do peixe é de extrema importância para identificar a contaminação, para que seja realizado um possível tratamento, evitando eventuais complicações para  a saúde humana. 

O Freitag Laboratórios conta com um amplo escopo de ensaios acreditados, que podem ser utilizados para realização das análises necessárias para avaliar a qualidade da água e do alimento,  trazendo assim, uma qualidade de vida melhor.

 

Autoras: Bruna E. Kern, Jenifer A. Fiedler e Sandy T. Bruske – Técnicas do setor de Microbiologia

 

Referência 

PINHEIRO, L.B.  PISCICULTURA DE TILÁPIA: EFEITOS DA CONTAMINAÇÃO POR Escherichia coli e Salmonella enteritidis. Universidade Federal de Campina Grande. 2018

0 Comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*